Caros Leitores,

Num passado pré-pandêmico, meu dia era consumido por deslocamentos: de casa ao escritório, reuniões com clientes e viagens para visitar as seguradoras.

Trânsito, check-in de hotéis, estacionamentos, taxis, aeroportos, um apanhado de atividades que pareciam as culpadas pela escassez de tempo e de energia.

Por isso, quando iniciou o home-office há um ano, achei que todos meus projetos e hobbies pessoais seriam concluídos com o tempo extra. Engano meu.

O dia encolheu ou o relógio está mais rápido.

Apesar dos 10 passos necessários para me deslocar de um cômodo a outro, as tarefas sobrepostas parecem engolir o horário comercial e a sensação de falta de tempo permanece.

Com a propagação das videoconferências, o número de reuniões diárias aumentou, mas não aumentou a produtividade. Um assunto que demandava uma reunião presencial, agora exige-se duas virtuais.

Ao menos antes, ao colocar no ‘’modo avião’’, existia um raro momento sem mensagens e ligações. Hoje a separação entre casa e trabalho, horário comercial e de descanso, não existem mais.

Refletindo sobre isso, recordei do livro do Ocupado Demais para Ler este Livro, do autor Tonny Crabbe.

Um texto riquíssimo que trata da superocupação, da ansiedade e do efeito negativo de prorrogar tarefas. Clamando ao leitor: ‘’Negocie a devolução de sua vida’’.

Tonny sugere pequenas ferramentas contra a superocupação. Entre elas: a Regra dos 2 Minutos. Ou seja, se existe algo na sua lista de tarefas que ocuparia dois minutos do seu tempo, cuide disso imediatamente. Do contrário, o custo psicológico de adiá-lo será maior que o tempo de resolução.

O acúmulo de e-mails pendentes não apenas ocupa sua caixa de entrada, mas também sua caixa craniana. Assim, o adiamento gera angústia e ansiedade.

Várias são dicas do livro. Mas a mensagem principal, é clara: cuide da sua saúde mental e compreenda que a nossa percepção do tempo é relativa, como em tantas outras coisas na vida. Frequentemente discernimos mal sobre o que precisamos e o quanto temos.

Esta coluna, por exemplo, não lhe tomou dois minutos.

 

Excelente semana.

Obrigado,

Lucas M.

Compartilhar: